quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Andei pensando...



Observo o nada como quem observa uma solução, inalcançável.

A sensação de cansaço mental toma conta de cada espaço onde deveria correr ação, reagir?
As forças da reação correm em direção oposta... e deixa um amontoado de carne, ossos, pele, sangue, músculos, inertes.
A inércia é bem vinda, mesmo sem eu nunca tê-la convidado para entrar, se acomodar e ficar.
Há coisas que não tem explicação. Penas duras por se passar, pensamentos implacáveis para condenar.
Há, também, quem não saiba se por no seu lugar, nem se esforçar em entender o que se sente...
E é por isso que eu escrevo.
Para me lembrar de coisas que eu queria dizer, e do que eu preciso ouvir....
Lembro-me que um, somado a mais um, multiplica-se... Ganham ares, dimensões, podem ganhar o mundo e podem se destruir. Então dois, nem sempre se complementam, nem sempre são melhores que um.
Eu deveria rasgar as memórias, e o que eu faço com tudo o que eu sinto? Andei pensando que prefiro ficar, lutar, ser grande, vencer... amar.
Andei pensando.... No que talvez seja melhor. E a verdade é que o melhor é não observar o tempo passar diante dos meus olhos sem fazer algo.
O melhor mesmo seria encarar que agora estou aqui, eu cheguei muito longe para voltar ao ponto zero... E eu penso que zerar o relógio é regredir... só mais tempo.
Tenho um caminho à frente. Peças guardadas que eu tenho que por embaixo do braço e levar... e fechando os olhos eu posso sorrir por todas a memórias e  dizer: foi bom, continua sendo.
Eu queria te dizer agora, eu tenho uma historia da qual você escreveu quase todas as linhas, e eu preciso do seu cheiro todas as manhãs.... pra sentir o quanto isso é bom. Eu te amo mais... e é engraçado acreditar que aqui dentro tudo se renova, como deveria ser.
Vou vestir uma roupa qualquer, olhar fundo dentro de você e sentir que sou a pessoa mais linda do mundo. Eu preciso, sem sombras, sem quebrar o que me fez chegar até aqui.... chutando as pedras, indo junto, vivendo, indo, com você.

Me refaça.

Um comentário:

Lis Lino disse...

escrever liberta :)